Matéria publicada em 09/03/2018 às 00:55:11

Fonte: Mateus Andrade

Artigo: Por: Maracelia Lima de Oliveira Vice-Presidente da OAB/RO

Poderia apenas dizer que segundo a última divulgação do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, todos os dias, o Brasil registra 135 estupros e 12 mulheres assassinadas. Lembraria que o mercado ainda paga à mulher 70% da remuneração dos homens, mesmo que elas trabalhem até 5 horas a mais por dia, como recentemente apontou o IBGE, porque sobre elas recaem as tarefas domésticas. Ou que as mulheres são responsáveis por 40% do sustento dos lares brasileiros, um dado que retrata as valentes mães solteiras espalhadas pelo país. Poderia afirmar apenas que ainda não completamos um século em que tivemos autorização legal para votar. Ou que até o advento do Código Civil de 2002, casamentos poderiam ser anulados se o “defloramento” da mulher fosse ignorado pelo marido.

Mas não, meu propósito hoje é exaltar a luta de mulheres que desbravaram campos que no passado era inimaginável pisar. Mulheres que, mesmo trabalhando mais e com menos remuneração, dominam espaços antes inimagináveis e concretizam mudanças substanciais na rotina, aquilatando novos valores para vencer o argumento simplista do “é porque sempre foi assim”. Uma pulga atrás da orelha já está instalada na organização de campeonatos esportivos após o constrangimento criado pela foto dos dois vencedores de uma disputa de skate, em que a discrepância da premiação trouxe à tona aquilo que o mercado de trabalho comete todos os dias com as mulheres. Como em nenhum outro ano, a tônica deste carnaval foi o “não” como a linha tênue que separa a paquera do assédio.

Em todas as grandes premiações do cinema e da Tv, os discursos dos vencedores saíram do jargão das conquistas pessoais para bradar e erigir a necessidade de inclusão, a exemplo da fala de Frances McDormand, ao receber o Oscar de melhor atriz nesta semana. Em outros tempos, talvez a manifestação abjeta proferida pelo vereador de Cacoal à Prefeita daquela cidade, pronta e corretamente repudiada pela OAB e outras instituições, passaria impune, como um dissabor a ser sentido apenas pela diretamente atingida. Num universo que era essencialmente masculino, as carreiras jurídicas estão sendo ocupadas essencialmente por mulheres.

O Estado de Rondônia, aliás, orgulha-se de ser o primeiro do país a superar, em número de inscrições na Ordem dos Advogados do Brasil, mais mulheres que homens. Obviamente, esse dado oscila a cada entrega de credenciais, mas é de Rondônia a marca de se ter pela primeira vez 52% mais mulheres inscritas que homens na OAB. Nesse dia 08 de março, é tempo de reflexão. Mas é tempo, sobretudo, de engrandecer a todas nós, mulheres, pelo muito que já fizemos e conquistamos, e pelo muito que faremos e conquistaremos. Para tanto, é preciso que o silêncio seja antes silenciado

Comente Pelo Facebook

 

ÚTLIMAS NOTÍCIAS

06/11/2018 • JARU: Idoso é encontrado morto pelo filho em queimada de pasto na zona rural de Tarilândia 06/11/2018 • PF deflagra operação em Rondônia para combater divulgação de pornografia infantil na internet 06/11/2018 • Bando que roubava, adulterava e vendia motos pela internet é preso em Porto Velho 20/10/2018 • SAÚDE: Senar atende comunidade ribeirinha do Baixo Madeira no Distrito de São Carlos 20/10/2018 • Medico pioneiro em Ariquemes morre afogado em rio na região de machadinho 12/10/2018 • Jean Mendonça perde vaga de deputado e abre cargo para Geraldo da Rondônia 01/10/2018 • Van capota ao ser atingida por carro de passeio no centro de Porto Velho 01/10/2018 • Debate na TV Rondônia reúne seis candidatos nesta terça-feira; veja todas as regras 01/10/2018 • Jaru: Justiça atualiza multa de Amauri dos Muletas para R$ 375 mil em processo de fraude em licitação da saúde 01/10/2018 • Zaltana pescados na maior feira de negócios da América Latina

©Copyright 2014 - Todos direitos reservados a Reporternoticia.com.br

Netmidia - Soluções Digitais